quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Banheiro feminino - espelho, espelho meu...




















Passa da meia-noite. Ela está na boate. Está tontinha, mas ninguém nota. Só ela sabe.
Até que resolve ir ao banheiro.

_Ana, vamos ao banheiro, amiga?

É de praxe, mulheres não vão ao banheiro sozinhas. Concentra-se para não dar mancada, anda um passo atrás do outro - devagar, isso: de-va-gar... Rebola pouco, já que rebolar está entre os indícios de embriaguez, e ensaia os passos até ao toilet.

Ao passar por uma cortina de metal que cobria a porta de entrada, não é uma persiana - mas parece - ela muda de fisionomia. O banheiro a transforma e muda também Ana, que até então parecia ter passado a noite à base de água com gás.

_Tô bêbada amiga.... - quem confessa é Ana.
_Eu também - ela diz enquanto se escora no espelho. Os olhos, antes brilhantes e cheios de rímel, agora estão vermelhos. O lápis preto borrou o blush. O batom é uma lenda.
O banheiro está lotado, elas falam pelos cotovelos, todas parecem Amy Winehouse, mas antes de entrar, curiosamente, estavam mais para Gisele Büdchen. No pufe, três mulheres estão jogadas.
_Nossa! Meu cabelo tá o puro cigarro - incomoda-se uma loira que antes parecia glamurosa na pista da boate.
Elas tiram os sapatos, passam pela maratona de usar o vaso sanitário público, pegam a bolsa de maquiagem e... fazem milagre!Amarram os vestidos, limpam os pés, calçam os sapatos, mexem nos cabelos. Se retocam. Ainda estão bêbadas quando deixam o banheiro, mas isso dura só até a cortina de metal. De lá, voltam a ser Gisele Büdchen, misteriosamente. Seus namorados nem percebem, nem podem. Existe uma mágica, depois que a cortina é vencida, esse é mais um dos segredos de banheiro, que por lá ficam.

Faxineira ponto G

1 comentários:

Criska disse...

Uoooooooou, é vero!

3 de outubro de 2008 07:17