terça-feira, 16 de setembro de 2008

No consultório...



Coincidência ou não, o post da minha amiga .ponto G sobre a pílula anticoncepcional coincidiu com uma consulta minha, destas de rotina mesmo, à minha ginecologista. Freqüento a mesma médica há quase oito anos. Muita gente pode pensar “que bom, dá pra manter um histórico legal da sua saúde”. E sim, esta é uma grande vantagem. Mas ela também é a mesma médica da minha mãe e das minhas duas irmãs. O que faz dela uma médica de família, uma amiga, que conhece todo mundo e que conversa sobre isto. Então, acaba que minha vida sexual pode não ser tão discreta quanto eu gostaria que minha mãe achasse que é.




E os homens reclamam de fazer exame do toque uma vez depois dos 40 anos...


Eu já até tentei trocar de ginecologista, mas acabei sendo fiel mesmo a minha de sempre. É quase como uma relação antiga. Eu já não me sinto mais (tão) desconfortável em usar aquele jaleco ridículo aberto na frente, já não fico tensa e as conversas são sempre divertidas.

Mas a tal hora de colocar na gente aquele diacho de bico de pato, nunca muda. É incomodo, machuca e, mesmo tendo mudado de metal pra acrílico, ainda é frio. O que me levou à seguinte indagação: porque indústria de instrumentos ginecológicos não muda à séculos (literalmente) sendo que os sexy shops têm modelos de vibradores e coisas afim cada vez mais modernos? Porque não fazem aquele bico de pato horroroso revestido em ciber skyn? Ou silicone? Ou jelly?




Não meninos. Não é este o bico de pato. Este é o patinho bonitinho



Um amigo me disse que é porque homens é que projetam os instrumentos ginecológicos. Mas aí eu pensei: mas são homens também que projetam os vibradores, cápsulas, pintos de borracha e tal.




Este aqui é o vilão


Já minha amiga .ponto G deu uma super sugestão para melhorar as condições das visitas ao ginecologista. Eu dei uma incrementada e ficou assim: Primeiro, na entrada do consultório, nada de secretárias sisudas, de uniforme verde clarinho e sorrisos educados. Estariam lá três caras saradões. Um negro, um loiro e um moreno. A gente teria o direito de escolher o gostosão que nos atenderia. Entrando no consultório, direito a um super amasso, com música e meia luz. Aí, o cara nos deitaria na maca e o médico então colocaria o bico de pato revestido de ciber skyn aquecido no lugar apropriado e faria a consulta, enquanto o gostosão massageasse os nossos mamilos.


Eu, particularmente, passaria minhas consultas semestrais pra diárias. E acredito mesmo que ia diminuir drasticamente as doenças ginecológicas, quiçá as sexualmente transmissíveis.









Hum... ok, doutor, pode colocar o bico de pato...hum... fundo....






Faxineira: Fá



2 comentários:

mara disse...

adorei....essa ideia poderia ser levada a diante...nunca mais a sensação de frigidez no consultório...ui...
marinha do brasil

16 de setembro de 2008 18:19
Fá, .G, Marinha do Brasil e Daida disse...

Faxineira Fá, se as consultas fossem assim não haveria problemas de HPV nem câncer de colo de útero..viveríamos no consultório e o médico poderia dizer:"a senhora não tem nada, não usarei o bico de pato hoje". Para o nosso desespero.

Idéia fantástica!

.G

17 de setembro de 2008 05:26