terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Só facilito aos que me facilitam


Que vontade de não dar minha opinião diante das coisas... e de não facilitar a vida das pessoas e de me preocupar só com o que eu vou fazer hoje!

Isso não se enquadra no meu trabalho!
Facilitar para os outros muitas vezes significa complicar para mim. Hoje mesmo na hora do almoço não facilitei a vida de uma pessoa e não me senti mal por isso.
Sentada num restaurante meio morno, que o calor do meio dia não facilita muito, estava me deliciando com uma salada simples, porém muito colorida e nutritiva. As mesas, muito próximas, incomodam os que almoçam por ali. Pois bem. Resolvi puxar um pouco mais a minha cadeira já que não haviam pessoas sentadas à mesa atrás de mim.
Comia tranquilamente quando uma senhora chegou na mesa atrás e começou a bater a sua cadeira na minha para tentar conseguir espaço para sentar. Do jeito que eu estava continuei. Pode até parecer pirraça, mas não foi isso. Pra quê facilitar a vida de uma pessoa que não conheço, que nem vi o rosto quando chegou e que estava tentando me agredir sem nem ao menos me dirigir a palavra, e com um pouquinho de educação pedir a gentileza de ocupar menos espaço.
Assim deixei. E ela continuou forçando e falando para o marido que ali não a cabia. Tonta ela né? Tivesse me pedido eu tinha afastado.
Permaneci comendo tranquilamente e a mulher retirou a cadeira e sentou ao lado do marido. Terminei de almoçar e saí sem dor no coração.
Não estou me transformando num monstro. Não é falta de compaixão. Isso eu tenho até demais. Só não quero me preocupar com pessoas que não fazem questão de resolverem os seus próprios problemas com sabedoria. Mantenham-se distantes de mim.
Tento servir a quem me serve e orientar quem me orienta, ou pelo menos por quem tenho um carinho ou um pequeno afeto.
Às pessoas que não sabem por que não lêem, não sugiro mais. Não acredito em pessoas que se dizem ingênuas e que têm a informação ou a possibilidade ao lado.
Estou na fase da concentração em mim. Não me estresso mais.
Parei. Sirvo de hoje em diante aos que merecem ser servidos.
Amar ao próximo? Demorou!
Facilitar por facilitar? Não quero mais não! Apelei!
Já servi demais! Agora é hora de me servir!

1 comentários:

Diana Bitten disse...

OLha, você não está errada pela opção que fez.

Interessante, pois ultimamente tenho pensado praticamente a mesma coisa: dar aos outros apenas o que eles desejam.

Se ela tivese, ao menos, sido educada e pedido (coisa que não custava abasolutamente nada), vc estaria errada em não atender. Mas nesse caso sua postura foi perfeita. Tratou agressividade com indiferença.

20 de janeiro de 2009 14:59