terça-feira, 5 de maio de 2009

Sindrome Adriana Calcanhoto ou peloamordeDeus estou com dor de cotovelo

Toda vez que alguma amiga minha termina um namoro e fica suuuuuper feliz com isso: beija na boca horrores, sai para dançar, cantar, enlouquecer... eu dou a maior força.

Tem coisa mais natural do Brasil (marca registrada do Guaraná) que, assim que se termina um namoro, querer engolir a liberdade de uma vez só? A gente enlouquece pela vida. Sabe que tenho a sensação que deveria haver uma camisa de força para recémterminadosdenamorolongo. A gente pira o cabeção, literalmente. Algumas de nós provam até drogas ilícitas, fazem tatuagens, cortam o cabelo ou mudam a cor (isso é batata!) decidem pular de bung jump. É como se vivessem amarradas, presas numa masmorra regadas a pão e água - e só. Porque quando ganham a "liberdade" ficam desesperadas por bebidas, comidas e orgias (com muito exagero desta blogueira, é claro! Nem sempre são orgias, mas em beijos sem compromisso, sexo sem muita preocupação - mas não sem camisinha!).

Eu mesma já vivi situações pós términodenamorolongo. A gente quer beijar todas as bocas possíveis do mundo e descobre tudo novo, diferente, novas formas de se amar, novas formas de brigar, novas cores de Almodovar, cores de Frida Kalo...cores......

Só que como toda euforia, ela passa. É como liberdade condicional: você está livre durante o dia, mas de noite tem que voltar para sua cela. Não necessariamente tão trágico, mas em algum momento você estará com você mesma (ou mesmo). Seja num fim de semana fatídico, num fim de noite de quarta-feira - chuvosa ou não. O fato é que você cairá na real e parodiando a música que citei acima, da Adriana Calconhoto, você pergunta: "meu amor, cadê você?Eu acordei, não vi ninguém, ao lado..."

É nessa hora que bate aquele baque federal. E aí, meu amigo, é preciso sangue no olho para admitir que aquela liberdade toda não era exatamente o que a gente queria. Mulheres costumam voltar mais atrás do que homens em situações assim. Falo isso pela minha experiência, homens que discordarem, por favor, se manifestem. Mas percebo que eu e minhas amigas, conseguimos identificar com mais rapidez esse processo e, como geralmente homens curam amor com outro amor, a gente passa mais maus bocados para esquecer o dito-cujo, sozinhas.

Nessa hora, a gente deixa de ir para as festas. Deixa de beijar certas bocas, e passa a trocar programas animadíssimos por um bom filme (comédia romântica, por favor, hein?), um pote de sorvete (de chocolate, de preferência), doces de todas as qualidades, um pacote de lenços e meia hora diária ao telefone com uma amiga de confiança . Quando eu sou essa amiga de confiança, dou o seguinte conselho: faça tudo que você quiser fazer, inclusive ligar para o ex-NAMORADODELONGADATA.

Nessa fase não se deve reprimir nenhum sentimento. É uma fase mais..." Nada ficou no lugar...Eu vou arranhar os seus discos..Eu quero acordar sua família...."

Se quiser bater à porta dele de madrugada seminua, vale a pena. Se quiser aceitá-lo na sua casa com a desculpa mais esfarrapada, vale a pena também. Se quiser ligar para perguntar coisas que, sabe-se, ninguém terá resposta, também vale. O que não dá é para não tentar. No fim, tudo passa. Até o que você acha que nunca vai chegar ao fim, um dia acaba. É o ciclo natural da vida. E não dá para fingir que não sente algo, quando se sente.

Sei que este texto ficou meio auto-ajuda, mas não era essa intenção. Acho que no fim, tudo fica meio Adriana Calcanhoto:

"Saia dessa vida de migalhas
Desses homens que te tratam
Como um vento que passou"

(Mulher sem razão
Música:Dé Palmeira e Bebel Gilberto
Letra: Cazuza
voz E violão:
adriana calcanhotto)

Faxineira Ponto G

5 comentários:

Daianne e Marco disse...

Adorei o seu texto amiga G.
Disse tuudo!!!
Bjao

6 de maio de 2009 11:18
Diana Bitten disse...

Como sempre gostei muito do que li.

Abços.

9 de maio de 2009 04:45
Marinha do Brasil disse...

aff....toprecdisando de dordecotovelo...estou tão sem isso....rs

11 de maio de 2009 06:36
Bruna Célia disse...

Isso tudo aí é mais pura verdade. cortei o cabelo, pintei de loiro... bebi mto. Só faltou a tatoo... ótimo, ótimo texto!

25 de maio de 2009 17:53
Jéssica disse...

Isso tá acontecendo..fiz uma coisa louca,loucura total..no outro dia acordei bem, mais do que isso acordei ótima..mas quando foi no terceiro dia..bateu a consciência racional..fiquei o ÓÓ.

29 de maio de 2010 04:48